jusbrasil.com.br
5 de Dezembro de 2016
    Adicione tópicos

    TJ-SE - APELAÇAO CÍVEL : AC 2010205745 SE

    Processo Civil - Estatuto da Criança e do Adolescente - Ação de Representação para remoção de irregularidades - Ausência de Intimação para oferecimento das alegações finais - Cerceamento de Defesa - Impropriedade - Comprovação de prévia intimação - Vício Superado - Ausência de demonstração do prejuízo sofrido - Nulidade Afastada - Obrigação de Fazer - Irregularidades demonstradas no de Programa Sócio-Educativo destinado ao abrigo de crianças e adolescentes - Direito subjetivo à absoluta prioridade na efetivação dos direitos à Vida, à educação, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e Comunitária - Medida de Interdição da Unidade de Acolhimento mantida.

    Tribunal de Justiça de Sergipe
    há 6 anos
    Processo
    AC 2010205745 SE
    Orgão Julgador
    2ª.CÂMARA CÍVEL
    Partes
    Apelante: INSTITUTO LOURIVAL FONTES, Apelado: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DE SERGIPE
    Julgamento
    13 de Julho de 2010
    Relator
    DESA. MARILZA MAYNARD SALGADO DE CARVALHO
    Andamento do Processo

    Ementa

    Processo Civil - Estatuto da Criança e do Adolescente - Ação de Representação para remoção de irregularidades - Ausência de Intimação para oferecimento das alegações finais - Cerceamento de Defesa - Impropriedade - Comprovação de prévia intimação - Vício Superado - Ausência de demonstração do prejuízo sofrido - Nulidade Afastada - Obrigação de Fazer - Irregularidades demonstradas no de Programa Sócio-Educativo destinado ao abrigo de crianças e adolescentes - Direito subjetivo à absoluta prioridade na efetivação dos direitos à Vida, à educação, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e Comunitária - Medida de Interdição da Unidade de Acolhimento mantida.

    I - Não merece prosperar a alegação de que houve cerceamento de defesa por não promover o juízo a quo a intimação do causídico do apelante para oferecer as alegações finais, notadamente porque, ao contrário do que pretende fazer crer o recorrente, o seu patrono fora intimado em duas ocasiões ; V - Forçoso convir com a medida de interdição adotada pela magistrada de primeiro piso, máxime porque, apesar de oportunizar ao apelante alternativas e prazos para que se procedesse à reparação de suas instalações e melhorias de seu quadro multidisciplinar, adequando-se à relevante função social exercida pelo instituto, restou sobejamente demonstrado nos autos que o recorrente se manteve renitente em adotar as medidas necessárias ao equacionamento do problema; VI.

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.
    Disponível em: http://tj-se.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/18103872/apelacao-civel-ac-2010205745-se